Descubra o que você precisa saber antes de visitar o Palácio de Versalhes

Ei viajante! Planejando conhecer Paris? Procure incluir o Palácio de Versalhes em seu roteiro. É apenas o castelo mais famoso da França, além de ser lindíssimo.

Talvez você esteja se perguntando porque ele é tão conhecido assim e na verdade há vários motivos. O primeiro motivo é o fato de ter sido a residência oficial de Luís XIV que transformou o lugar em sinônimo de ostentação”, com muito luxo e glamour, o qual serviu de inspiração para outros castelos na França e mundo afora.

Palácio de Versalhes - França
Palácio de Versalhes – França

Além disso, um outro motivo não menos importante é o Tratado de Versalhes o qual foi assinado dentro do castelo, na maravilhosa Galeria de Espelhos. Este tratado teve uma grande importância na história, pois visava por fim aos conflitos da Primeira Guerra Mundial. Agora faz mais sentido a origem do nome do tratado, né?

O lugar também serviu de residência para várias personalidades importantes da história francesa, como reis, artistas, políticos, entre outros. Cada um que passou por lá, deixou o seu toque pessoal, através de reformas ou de objetos pessoais.

# Preparando a visita ao Palácio de Versalhes

Primeira coisa que você deve fazer é verificar no site oficial do castelo quais são os dias e horários com mais fluxo de pessoas. Na sequência, compre seu ingresso antecipadamente pela internet. Deste modo, você evita a fila da bilheteria e vai direto para a fila do controle da entrada. Te garanto que isso vai te fazer ganhar muito tempo, ainda mais se for no verão quando as filas podem ser bem longas.

O Palácio de Versalhes abre de terça a domingo, das 9h à 18h30. O ingresso custa a partir de 20 euros e inclui audioguia em diversos idiomas, inclusive o português. Vale dizer que se quiser visitar apenas os jardins, está aberto diariamente e a entrada é gratuita, exceto no verão quando há o espetáculo das águas.

Para chegar até Versalhes, você pode pegar um  RER C5 (trem que passa por várias estações dentro de Paris) e descer na Versailles Rive Gauche. Dali é só caminhar uns minutinhos e você já chega. Para esse trajeto, há um bilhete especial que você compra na estação de metrô mesmo.

Palácio de Versalhes
Palácio de Versalhes

# Visitando o Palácio de Versalhes

Como dito anteriormente, as instalações do castelo impressionam pela sua grandeza e riqueza de detalhes. É preciso um dia cheio para ver tudo e aproveitar a visitar. Pois além do palácio principal, há outros palacetes espalhados pelo jardim que é enorme e que também merece ser explorado.

Fonte do Palácio de Versalhes
Fonte do Palácio de Versalhes

Falando sobre as instalações, o lugar está organizado da seguinte forma:

Castelo principal: a residência oficial e onde está a famosa Galeria de Espelhos, além do quarto do rei e demais cômodos.

Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Para não esquecer de levar os itens essenciais em sua viagem, baixe gratuitamente o Checklist: O que levar na bagagem de viagem

Grand Trianon: inicialmente, esse castelo foi construído para ser uma segunda moradia de Luís XIV, mas durante o reinado de Louis Phillipe foi transformado em quarto para a imperatriz Marie Louise e sala de jogos para os seus filhos.

Petit Trianon: Construído a pedido de Luís XV, esse pequeno castelo também foi o refúgio da rainha Maria Antonieta. O lugar passou por uma reforma, assim como o seu jardim, pois a rainha queria um jardim no estilo inglês.

Interior do Palácio
Interior do Palácio

Domínio de Maria Antonieta: a rainha Maria Antonieta não tinha um palacete só para ela, mas sim toda uma área reservada à ela. Para entrar era preciso pedir autorização. Nesse seu cantinho bucólico, além da residência, há um pequeno lago, jardins e um espaço do tipo pavilhão onde ela realizava festas.

Jardins do Palácio: com um estilo tipicamente francês, os jardins do castelo são uma verdadeira obra de arte. Criado a pedido do Rei Luís XIV, o projeto levou anos para ser concluído, ou melhor, décadas. Durante um passeio, você vai encontrar muita área verde alinhada de forma simétrica, fontes, esculturas belíssimas, lago…Enfim, um lugar muito tranquilo e relaxante.

# Dicas para você ter uma boa experiência:

1) A sugestão é ir o mais cedo possível para tentar evitar o mundo de turistas. Se chegar e ver que não tem muita gente, comece a visita pelo palácio principal, na sequência vá para o jardim e os outros palacetes. Caso tenha uma fila gigante, a dica é deixar o castelo para depois, ou na hora do almoço ou mais pro final da tarde, e fazer o restante primeiro.

2) E um lugar lindo independente de qualquer coisa, mas se puder, evite fazer a visita no inverno pois as esculturas externas estão cobertas para proteção do frio e você não aproveita os jardins da mesma forma que faria no verão, por exemplo.

3) Há opções de restaurantes e quiosques para comer e beber, sem precisar sair das instalações do palácio. Você ainda pode levar coisas e fazer um super piquenique no gramado do jardim. Mas atenção: nem todos os lugares são permitidos, por isso verifique antes de ir sentando e arrumando tudo.

4) Visitar tudo pode ser um pouco cansativo, então caso queira poupar as pernas, vários serviços de transporte estão a disposição dos turistas. Tais como: aluguel de bicicleta ou daqueles carrinho de golf, e trenzinho. Para aproveitar do lago, é possível alugar um barco.

5) Primeiro domingo de cada mês a entrada é gratuita em diversos museus de Paris e no Palácio de Versalhes, logo um dia lotado. Evite! Vale dizer que a entrada também é gratuita para quem tiver menos de 18 anos.

6) Durante o verão, entre junho e setembro, acontece o show das águas a noite! As fontes do jardins ficam iluminadas, há música típica e até fogos de artifício. Um lindo espetáculo que vale a pena! Como é a noite e fora de Paris, o castelo dispõe do serviço de traslado e custa a partir de 29 euros.

Publicitária, Rafaela Borges também é especialista em Marketing Digital e criadora do blog Vem Comigo. Nascida no Paraná, já morou em várias cidades, dentre elas estão São Paulo e Londres. Casada com um francês e vivendo em Paris, compartilha dicas de viagem, roteiros, descobertas pela Europa e um gostinho da vida à francesa.

RELACIONADOS